Tuesday, 21 de September de 2021

Nextracker e a Solar Energy International anunciam programa global exclusivo para mulheres ingressarem no mercado de energia solar

Nextracker e a Solar Energy International anunciam programa global exclusivo para mulheres ingressarem no mercado de energia solar

Para evitar a desigualdade, a Nextracker e a Solar Energy International lançaram um programa global que busca 10 mulheres para atuar como profissionais no setor de energia solar.

O mercado de trabalho, às vezes, tende a ser bastante desvantajoso para profissionais do sexo feminino. Dessa forma, nessa segunda-feira, (23), as empresas multinacionais Nextracker e a Solar Energy International, se uniram em prol de reduzir um pouco dessa desigualdade. O anúncio foi realizado nas redes sociais, de modo que a parceria resultou em um programa global e bolsas de estudo, somente para mulheres que possuem interesse em ingressar no mercado de trabalhando, atuando no setor de energia solar.

Confira outros artigos:

Como irá funcionar o programa global em energia solar da Nextracker e Solar Energy International?

Antes de mais nada, se faz necessário conhecer um pouco do que representa o programa global. Intitulado como “Half the Sun”, o projeto possui algumas inspirações que o moldaram. Dentre elas, podemos citar: Prêmio Pulitzer Nicholas D. Kristof e no livro de Sheryl WuDunn, Half the Sky. Quanto ao livro, seu enredo narra sobre como podemos transformar os obstáculos em oportunidades ao nosso favor.

Sendo assim, a bolsa de estudos será um incentivo à mais para que as mulheres tenham novas oportunidades em mostrar que realmente são capazes de trabalhar o mercado de mão de obra do setor de energia solar. Na visão da Nextracker e da Solar Energy International, esse ramo ainda possui poucas mulheres em atuação. Com isso, o programa global visa corroborar para que o cenário atual mude e a indústria solar seja um local mais diversificado.

Atualmente, a taxa de mulheres que trabalham diretamente como energia solar no mundo é de 28%, segundo a IRENA (International Renewable Energy Agency). Sendo divididas nas seguintes áreas: ciência, tecnologia, engenharia ou matemática. Visando contribuir para que essa porcentagem aumente, foi que as empresas criaram o programa.

A ideia é que as mulheres que passarem pelo programa, consiga se manter no mercado de trabalho mesmo após a finalização do projeto. Até a próxima década, a meta da Nextracker e da Solar Energy International é que o percentual passe de 28% para 50% de profissionais do sexo feminino que estão atuando diretamente no setor de energia solar, independente de qual região ou país que ela esteja.

Mais informações sobre o programa global no setor de energia solar

No total, as empresas irão selecionar um total de 10 alunas para participarem do programa. Como é a nível global, as vagas serão distribuídas da seguinte forma: América Latina, Austrália e Ásia-Pacífico, Estados Unidos, Europa e a região MEIAT, que corresponde ao Oriente Médio, África, Índia e Turquia. Para cada um dos continentes, serão disponibilizadas duas bolsas de estudo.

As bolsas são integrais, possuindo uma duração estimada de três anos, onde servirá para que as estudantes realizem o curso de treinamento solar com duração de seis semanas. No entanto, somente terão acesso as bolsas ou a uma das vagas, mulheres que buscam por experiências educacionais nas áreas de Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática.

Dessa forma, só poderão participar do processo seletivo, mulheres que já possuem diploma, em uma das áreas citadas acima ou que seja relacionada. Além de estar em contato direto como o setor de energia solar, a Nextracker e a Solar Energy International proporcionam outros benefícios para as ingressantes do seu programa.

Após terem conseguido ingressar e se tornar uma das dez participantes do programa, irão ter acesso aos membros regionais da rede Nextracker Women’s Network. Dessa forma, mesmo após os três anos, vão conseguir se manter no mercado de trabalho em energia solar, através da rede dos profissionais disponibilizados pelas empresas. Onde terão contatos e meios para que permaneçam exercendo a profissão.

Ruth Rodrigues
Formada em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), atua como redatora e divulgadora científica.