Início Energia eólica e solar devem manter ritmo de crescimento e abastecer setor em 2022

Energia eólica e solar devem manter ritmo de crescimento e abastecer setor em 2022

janeiro 31, 2022 às 10:28 pm
Compartilhe
Siga-nos no Google News
As energias renováveis eólica e solar têm grande potencial para abastecer o setor em 2022 e se manter em crescimento no mercado brasileiro, evitando uma crise energética
As energias renováveis eólica e solar têm grande potencial para abastecer o setor em 2022 e se manter em crescimento no mercado brasileiro, evitando uma crise energética. Fonte: Pixabay

As energias renováveis eólica e solar têm grande potencial para abastecer o setor em 2022 e se manter em crescimento no mercado brasileiro, evitando uma crise energética

A produção de energia renovável no Brasil já é bastante reconhecida no mercado global, uma vez que o país possui um grande potencial para essa geração, principalmente se tratando das energias eólica e solar. Nessa segunda-feira, (31/01), a expectativa é que ocorra um crescimento dessas energias durante o ano de 2022, de modo que eles colaborem para evitar uma possível crise energética.

Não deixe de conferir:

Especialistas projetam um crescimento expressivo das energias eólica e solar no ano de 2022

O grande potencial que o Brasil tem para a produção de energias renováveis como a eólica e solar está previsto para continuar sendo aproveitado da melhor forma possível em 2022 e alguns especialistas do segmento acreditam que essas fontes terão um expressivo crescimento no decorrer desse ano. Assim, as eólicas devem subir do atual patamar de 20,5 GW de capacidade instalada para 26,4 GW em 2022, enquanto o setor solar prevê incremento de 3,1 GW, segundo dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Elbia Gannoum, presidente executiva da ABeeólica, comentou sobre o crescimento desses setores e afirmou que “Em 2021, as eólicas bateram recorde de instalação, ultrapassando 3 GW em 2021, sendo que a média era em torno de 2,5 GW. Esse recorde está associado à mudança de patamar médio de contratação que a eólica tinha até 2017”.  A executiva lembra que foram 20 GW adicionados em dez anos e prevê um crescimento ainda maior para os próximos anos: “Em três anos vamos colocar mais 10 GW”.

Os representantes da Abeeólica e da Absolar, companhias responsáveis pelo setor no mercado brasileiro, projetam um crescimento expressivo em 2022 e esperam que essas fontes de energias renováveis sejam uma alternativa viável para garantir segurança caso venha a ocorrer uma crise energética novamente no território brasileiro. Além disso, as energias eólica e solar também irão contribuir bastante com a agenda ambiental para a redução dos impactos ao meio ambiente.

Setor das energias renováveis vem apresentando uma grande expansão nos sistemas de médio e pequeno porte

O crescimento das energias renováveis como a eólica e a solar nos últimos anos vem acontecendo, principalmente, nas esferas de médio e pequeno porte, como pequenos estabelecimentos comerciais e novas empresas no mercado, que enxergam nessas fontes uma alternativa viável para a redução de custos. Dessa forma, Rodrigo Sauaia, presidente executivo da Absolar, destaca que “O Brasil está avançando mais rápido nos investimentos feitos pela população do que nas contratações do governo federal”.

O presidente executivo da Absolar ainda ressalta que o principal impasse em meio a essa geração de energia para a população são as altas tarifas no segmento, que não garantem tanta atratividade para novos empreendimentos aderirem a essa tecnologia. O executivo afirma ainda que “O setor está atento a estes pontos. Câmbio, logística e demanda global crescente por energia solar são fatores de pressão que estão em nosso radar, mas eles serão contrabalanceados pela tarifa dos consumidores, que está previsto 21% de aumento em 2022. Isso vai ajudar a equilibrar os pratos da balança”.

Entretanto, a aprovação do PL 5829/2019 que cria o Marco Legal para a geração de energia renovável própria aconteceu e vem abrindo novas portas para o setor crescer ainda mais no mercado brasileiro. Assim, os representantes do segmento acreditam que os próximos anos possam ser de grandes resultados para a produção dessas energias.

Relacionados
Mais recentes