Saturday, 04 de December de 2021

Espírito Santo irá promover parceria entre setores público e privado para construção de miniusinas de energia solar

O governo do estado do Espírito Santo anunciou que pretende realizar parceria com o setor privado da região para a construção de miniusinas de energia solar

O governo do estado do Espírito Santo anunciou que pretende realizar parceria com o setor privado da região para a construção de miniusinas de energia solar

Essa quinta-feira, (18/11) é motivo de comemoração para o setor de renováveis, afinal, o governo do Espírito Santo anunciou mais uma iniciativa em busca de um futuro mais sustentável com o aproveitamento da energia renovável. Desta vez, os representantes do estado irão buscar promover uma parceria com o setor privado para a construção de miniusinas de energia solar que irão abastecer os prédios públicos da região.

Não deixe de conferir:

Governo do estado pretende expandir a produção de energia renovável a partir da criação das miniusinas

A preocupação acerca dos impactos ambientais em decorrência da produção energética a partir de fontes não renováveis está cada vez mais presente no cenário nacional e o Espírito Santo pretende mudar isso na sua região. O estado já é bastante conhecido pela sua produção energética, apesar de não se tratar de uma geração 100% renovável, e agora, pretende expandir o uso da energia solar, promovendo uma parceria com o setor privado da região para a criação de miniusinas que irão produzir energia renovável a partir da tecnologia fotovoltaica. 

O secretário de Inovação e Desenvolvimento do Estado, Tyago Hoffmann, comentou acerca da importância da parceria público-privada (PPP) para a criação das miniusinas de energia solar na região e de como o projeto pode expandir o potencial do estado. O executivo ainda afirmou que “nosso objetivo é tornar o ES o primeiro Estado brasileiro com 100% da sua energia consumida a partir de fontes renováveis. A partir dessa PPP queremos nos transformar no principal modelo para o Brasil.”

O anúncio foi feito durante a Oil, Gas and Energy Week, que foi realizado pela Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes), em Vitória, no Espírito Santo. Com a criação das miniusinas de energia solar, o governo pretende expandir a utilização de fontes renováveis para a matriz energética do estado e potencializar o crescimento da região de forma sustentável. 

Espírito Santo pretende expandir ainda mais a geração de energia e quer lançar mapa de radiação solar ainda em 2021

A iniciativa do governo do estado com a criação e desenvolvimento das miniusinas de energia solar é só o primeiro passo para um futuro mais sustentável na região. Os representantes da região pretendem lançar novas fontes de informação acerca da produção de energia renovável no estado até 2022 e, ainda durante o ano de 2021, o Espírito Santo irá lançar um mapa de radiação solar para potencializar ainda mais as pesquisas e desenvolvimento dessa fonte energética no local. 

A subsecretária de Estado da Ciência, Tecnologia, Inovação, Educação Profissional e Desenvolvimento Econômico (Sectides), Rachel Freixo, comentou acerca dos objetivos do estado para essa matriz energética e afirmou que “queremos expandir nosso Sistema de energias renováveis, atrair investimentos e aproveitar o interesse que existe no mundo por projetos com esse perfil. Além da prospecção ativa que fazemos junto a potenciais investidores, estamos trabalhando para desburocratizar a legislação, principalmente a ambiental, e para estimular o desenvolvimento de pesquisa e inovação na área.”

O gerente executivo de Negócios da Findes e coordenador do Fórum Capixaba de Petróleo, Gás e Energia, Cicero Grams, também destacou alguns pontos acerca do potencial de geração de energia renovável que o estado tem e afirmou que “o mapeamento identificou que os litorais dos estados do Nordeste, do Rio Grande do Sul, do Norte do Rio de Janeiro e do Sul do Espírito Santo são regiões mais propensas para a geração de energia eólica offshore. Ou seja, estamos entre os principais locais do país para receber investimentos de parques eólicos no mar”.

Ruth Rodrigues
Formada em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), atua como redatora e divulgadora científica.