Início Engie está estudando possível produção de hidrogênio natural na Bacia de São Francisco

Engie está estudando possível produção de hidrogênio natural na Bacia de São Francisco

janeiro 27, 2022 às 2:35 pm
Compartilhe
Siga-nos no Google News
A Engie segue voltada para o setor das energias renováveis e estuda potencial de hidrogênio natural na Bacia de São Francisco, além de continuar com seu projeto de hidrogênio verde no Ceará
A Engie segue voltada para o setor das energias renováveis e estuda potencial de hidrogênio natural na Bacia de São Francisco, além de continuar com seu projeto de hidrogênio verde no Ceará. Fonte: Divulgação

A Engie segue voltada para o setor das energias renováveis e estuda potencial de hidrogênio natural na Bacia de São Francisco, além de continuar com seu projeto de hidrogênio verde no Ceará

Durante esta última segunda-feira, (24/01), a multinacional Engie liberou o seu Plano Decenal de Energia, com algumas das iniciativas da empresa para os próximos anos. Entre elas, está o estudo do potencial de produção de hidrogênio natural na Bacia de São Francisco. Além disso, o seu olhar para o setor das energias renováveis segue e ela irá continuar com seu projeto de hidrogênio verde no Ceará.

Veja também:

Produção de hidrogênio natural na Bacia de São Francisco é o novo foco da Engie, que estudará as possibilidades para a iniciativa

O hidrogênio natural é uma das fontes de energias renováveis mais promissoras para o setor e é produzida diretamente da exploração do gás. Assim, a Engie estava de olho em estudos feitos entre as consultorias Georisk e Geo4u0, pesquisadores no Brasil e na França, que identificaram a presença de hidrogênio no solo e poços profundos da Bacia do São Francisco. Dessa forma, a companhia está agora com a iniciativa de voltar a sua atenção para essa possível produção de hidrogênio natural na região. 

A Engie já conta com diversas operações no Brasil, principalmente no estado de Minas Gerais, mas algumas pesquisas lideradas pela Engie desde 2018 apontam que o país pode ter um grande potencial de hidrogênio natural em pelo menos mais três estados, incluindo o Ceará, Roraima e Tocantins. Além disso, o Plano Decenal de Energia liberado pela empresa destaca que “quanto ao hidrogênio natural, anteriormente considerado marginal, senão inexistente, aparece cada vez mais como uma opção importante a ser explorada pelas empresas de energia no futuro próximo”.

Até agora, somente Mali, na África, conta com a produção de hidrogênio natural a partir da extração direta do gás, mas a empresa pretende trazer essa realidade também para o mercado brasileiro durante os próximos anos, caso realmente haja comprovação da existência da substância na Bacia de São Francisco. 

Projeto de energias renováveis voltados para o hidrogênio verde segue como o planejado no estado do Ceará 

Além da iniciativa de estudos relacionados à possível reserva de hidrogênio natural na Bacia de São Francisco, a companhia continua com seus esforços voltados para o setor das energias renováveis. Assim, a empresa já confirmou o interesse em produzir hidrogênio verde, a partir do processo de eletrólise da energia renovável, no Brasil, principalmente na região nordestina e no estado do Ceará, em razão do alto potencial de produção desse recurso que é reconhecido na região

Dessa forma, a Engie assinou no último ano um memorando de entendimento com o governo do estado do Ceará para estudar a produção de hidrogênio verde no Porto do Pecém. A empresa irá utilizar de parcerias com hubs e startups do local focados em exportação e energias renováveis para desenvolver uma produção sustentável e lucrativa no local. O primeiro passo da empresa inclui começar com 100 MW a 150 MW de capacidade instalada de eletrólise, em até cinco anos, aumentando os números até o ano de 2030, no qual a empresa quer chegar à marca de 4 GW de capacidade.

A companhia destaca que o hidrogênio verde e o hidrogênio natural são grandes aliados no processo de descarbonização do mercado global e que seguirá com os seus incentivos voltados para o segmento. O objetivo principal da empresa é contribuir para a redução na emissão desses gases poluentes e minimizar os impactos ambientais como o agravamento do efeito estufa.

Relacionados
Mais recentes