Início Mercado Livre de Energia — O que é e como funciona

Mercado Livre de Energia — O que é e como funciona

junho 20, 2022 às 8:34 pm
Compartilhe
Siga-nos no Google News
Mercado Livre de Energia
Mercado Livre de Energia

Sendo assim, podemos definir o Mercado Livre de Energia como um espaço de negociação, onde é possível negociar volume, prazos, formas de pagamentos e outros encargos diretamente com as comercializadoras e geradoras locais de energia elétrica.

Primeiramente, poucas pessoas sabem, mas já é possível consumir energia elétrica além das concessionárias tradicionais! Assim, você pode escolher novos fornecedores, tudo isso por meio do Mercado Livre de Energia, onde é possível negociar de uma forma um pouco diferente do habitual!

Basicamente, o consumidor pode negociar diretamente com outras fornecedoras, e a ideia já ganhou força: cerca de 10 mil empresas já adentraram à novidade, que cresceu cerca de 11% nos últimos anos, especialmente por conta da pandemia do covid-19.

Dessa maneira, o bolso não pesa tanto: os consumidores não são mais obrigados a ficar reféns das altas tarifas de energia elétrica, que geralmente são bandeiras pelos governos. Além disso, fica mais fácil escolher um fornecedor de energia elétrica para a sua empresa.

Neste sentido, a competitividade também aumenta: o Mercado Livre de Energia possibilita que os preços ofertados pelas distribuidoras de energia sejam acessíveis, o que aumenta a demanda e faz com que os gastos de energia sejam menores.

Mercado Livre de Energia: O que ninguém te contou até agora? Canal: Engehall Elétrica

Como funciona o Mercado Livre de Energia?

Basicamente, podemos dizer que o Mercado Livre de Energia está dividido entre o Ambiente de Contratação Regulada (ACR), que inclui os consumidores cativos, e o Ambiente de Contratação Livre (ACL) que engloba os consumidores livres.

No primeiro cenário, o Ambiente de Contratação Regulada, a energia elétrica é comprada por distribuidoras por leilões. Sendo assim, o custo é mais alto, pois o preço dessa transação é determinado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL).

Dessa forma, este consumidor — os cativos — compram a energia das concessionárias que fornecem na sua região. Logo, as tarifas possuem encargos tributários, ou seja, as unidades consumidoras pagam um valor mensal que inclui gastos com o governo, especialmente pela distribuição e geração.

Entretanto, com a chegada do Mercado Livre de Energia, a situação ficou bem diferente. Afinal, no Ambiente de Contratação Livre (ACL), o consumidor livre possui direito de comprar energia elétrica, podendo negociar o preço e as condições de pagamento.

Ademais, para manter o sistema no Mercado Livre de Energia, o consumidor possui dois contratos: o primeiro vale pelo fio de transmissão sendo feito com a distribuidora. Já o segundo, é conduzido com a geradora, que comercializa a energia elétrica na região.

Neste sentido, o valor pago pelo serviço de distribuição das concessionárias locais possui um preço regulado, então, as condições sobre preços, prazos e volume de energia são negociadas entre o consumidor livre e a empresa que comercializa energia.

Dessa forma, podemos dizer que com o Mercado Livre de Energia, podemos dizer que as empresas possuem melhores condições sobre os valores que pagam, pois, a energia é muito mais acessível do que a comprada no Ambiente de Contratação Regulada.

Em geral, sabemos que pagar energia elétrica não é barato. Logo, migrar para o Mercado Livre de Energia possui várias vantagens para empresas que fazem um alto consumo da mesma. Isso porque além de diminuir custos, a contratação é feita diretamente com o fornecedor da região.

Entre alguns benefícios que o Ambiente de Contratação Livre (ACL) oferece, podemos citar:

Contratação apenas do necessário

Com o Mercado Livre de Energia, é possível contratar o volume de energia elétrica sob medida. Logo, as empresas farão uma negociação com a geradora solicitando somente a medida de energia utilizada por ela. Além disso, é possível flexibilizar outras coisas como prazo, preço e reajustes.

Em um Ambiente de Contratação Regulada (ACR), o consumidor só pode comprar energia elétrica da distribuidora local. Logo, não é possível escolher o fornecedor. Com o Mercado Livre de Energia, a empresa pode escolher a geradora que melhor atende às suas necessidades e demandas.

Redução de gastos

Com o Mercado Livre, é possível contratar energia elétrica que é válida somente durante o período de contrato. Neste sentido, as empresas não ficam à mercê de bandeiras tarifárias ou outros encargos, logo, não pagarão valores a mais para as concessionárias.

Ao escolher o Mercado Livre, a empresa pode escolher o fornecedor que melhor se adequar a sua realidade. Dessa maneira, é possível avaliar o custo e benefício, sem precisar se preocupar com maiores encargos. Logo, a decisão de compra fica na mão do consumidor.

Redução na conta de energia elétrica

Em geral, comprar energia elétrica por conta própria é muito mais acessível do que consumir de distribuidoras de energia. Sendo assim, investir no Mercado Livre de Energia possibilita a redução em até 40% do valor gasto mensalmente com energia elétrica. É uma grande diferença!

É a mesma coisa do Mercado Cativo?

Uma dúvida muito comum sobre o Mercado Livre de Energia é sobre se é a mesma coisa que o Mercado Cativo. Logo, podemos dizer que não! Isso porque um depende de encargos tributários, enquanto o outro, não. Sendo assim, confira um pouco sobre cada um:

Basicamente, o ACR é constituído por consumidores cativos que, em sua maioria, que podem comprar energia elétrica das concessionárias responsáveis pela distribuição de energia elétrica na sua região. Dessa forma, eles estão atrelados aos encargos que elas possuem.

Neste cenário, a energia elétrica é comprada pelas distribuidoras, sejam locais ou nacionais, e o preço final é decidido pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL). Por aqui, diversas bandeiras tarifárias aumentam o preço da energia ao consumidor final.

Quem participa do Ambiente de Contratação Regulada (ACR)?

Em geral, o Mercado Cativo é constituído por residências ou pequenas empresas que, normalmente, não possuem demanda o suficiente para integrar o Mercado Livre de Energia. Desta forma, eles costumam pagar os encargos incluídos pelos governos.

Primeiramente, podemos dizer que o ACL é formado pelos consumidores de energia elétrica livres. Neste sentido, quem participa deste ambiente são consumidores que negociam as condições de compra e uso de energia elétrica diretamente com as comercializadoras e geradoras.

Basicamente, existem dois contratos ofertados no ACL: o primeiro, com a distribuidora de energia, e o segundo com a geradora de energia elétrica. Assim, o preço é definido pela distribuidora, enquanto a geradora define os prazos, volume e as formas de pagamento.

Quem participa do Ambiente de Contratação Livre (ACL)

Na prática, o ACL é constituído por consumidores especiais e livres, que possuam uma demanda mínima que varia entre 500 kW e 1,5 MW para cada categoria. Desta forma, eles podem negociar os custos de energia elétrica diretamente com as distribuidoras e geradoras.

Por fim, podemos dizer que o Mercado Livre de Energia é uma das melhores opções para as empresas que consomem um alto índice de energia elétrica. Portanto, o custo benefício é excepcional, sendo uma boa oportunidade para reduzir custos e aumentar a produtividade.

Relacionados
Mais recentes