Thursday, 29 de July de 2021

Energia solar se expande no Brasil apesar da pandemia

energia solar - energia solar no brasil - Aneel

Energia solar: um total de 9.144 painéis solares foram instalados nos telhados deste complexo para mil famílias pobres, nos arredores de Juazeiro, na Bahia. 

O sistema possuía uma geração distribuída de até 2,1 MW, deixando um excedente cujos lucros foram utilizados para a comunidade e seus membros, mas não foi usado até 2016, três anos após a instalação, por decisão da autoridade reguladora, a energia solar continuou a se expandir no Brasil durante a pandemia do COVID-19 e deve contribuir para a recuperação econômica após a crise da saúde. Essa é a avaliação de Bárbara Rubim, vice-presidente da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), responsável pela geração distribuída.

Leia também:

“O ritmo de crescimento diminuiu um pouco, mas ainda é exponencial”, disse ela. “A pandemia teve um efeito menor do que o esperado e a energia instalada aumentou 30% no primeiro semestre de 2020”.

O potencial total era de 5.918 MW em 2 de julho, ante 4.533 MW no final de 2019, de acordo com dados oficiais da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), reguladora de energia neste país sul-americano de 211 milhões de pessoas.

Essa é uma pequena quantidade em um país com capacidade total para gerar 172.709 MW

No Brasil, 60,4% da energia é hidrelétrica, 8,7% vem do vento, 8,4% da biomassa, 8,3% do gás natural, 5,1% dos derivados de petróleo e 2,0% do carvão. Mas a energia solar é a fonte de energia que mais cresce, de acordo com a tendência global em meio a pandemia.

O Brasil floresceu tardiamente quando se tratava de aproveitar o enorme potencial solar em seu vasto território. O impulso inicial ocorreu em 2012, quando o país adotou regras que incentivam a geração de eletricidade distribuída, também conhecida como geração descentralizada, porque é baseada em muitas fontes pequenas.

Isso coincidiu com a queda acentuada no custo da instalação de painéis solares, que desempenhou um papel decisivo no boom nos últimos anos.

A previsão é que a cada MW instalado de energia solar gere 25 a 30 novos empregos

No Brasil, a expansão levou à criação de 37.000 empregos no último semestre, período em que o desemprego aumentou em geral devido à chegada do coronavírus SARS-CoV-2 no final de fevereiro.

A previsão inicial de gerar 120.000 empregos este ano se tornou mais improvável, mas não foi descartada, de acordo com a Absolar. O setor já havia demonstrado sua natureza anticíclica ao crescer durante a recessão econômica que atingiu o Brasil em 2015 e 2016.

“Na crise, as pessoas escolhem produtos que lhes permitem economizar dinheiro”, explicou Frank Araújo, empresário de energia solar em Sousa, cidade de 70 mil habitantes no estado da Paraíba.

Gerar sua própria eletricidade é um bom negócio: a economia na conta de energia elétrica cobre o investimento inicial em apenas alguns anos, disse o proprietário da Ative Energy, que instala usinas solares em dezenas de cidades da região Nordeste do Brasil.

Valdemar Medeiros
Formado em Segurança do trabalho, especialista em marketing de conteúdo em conjunto de ações de SEO e Universitário de Publicidade e Propaganda.