Saturday, 04 de December de 2021

Estado de Goiás discute acerca da alta capacidade para o aproveitamento do Hidrogênio Verde na região

A localização do Estado de Goiás no território do Brasil favorece à produção de diversas formas de energia renovável, em especial o Hidrogênio Verde

A localização de Goiás no território do Brasil favorece à produção de diversas formas de energia renovável, em especial o Hidrogênio Verde, o qual pode ser aproveitado com grande capacidade no estado. 

Durante a última quarta-feira, (27/10), o Conselho Temático de Infraestrutura (Coinfra) promoveu uma reunião com alguns profissionais do setor da energia renovável e fez uma transmissão ao vivo para discutir acerca da grande capacidade que o estado de Goiás possui para a produção de Hidrogênio Verde, uma das substâncias mais sustentáveis para a produção energética. 

Confira mais notícias:

Localização do estado de Goiás no Cinturão do Sol favorece a capacidade de produção do Hidrogênio Verde

O Brasil já é um país que recebe bastante irradiação solar, em decorrência da localização próxima à linha do Equador e, se tratando do estado de Goiás, esse benefício é ainda maior, uma vez que o local se encontra no chamado Cinturão do Sol. Tal característica geográfica favorece a produção de novas alternativas em energia renovável, como a solar e até mesmo o Hidrogênio Verde, discutido na reunião realizada pela Coinfra e a nova aposta do estado para a produção energética na região

O presidente do Coinfra, Célio Eustáquio de Moura, destacou alguns pontos importantes em relação à alta capacidade que o estado tem para a produção de energia renovável, em especial o Hidrogênio Verde. O executivo ainda afirmou que “percebemos que o avanço dessa matriz energética é um caminho sem volta e, em Goiás, temos uma grande vocação para a produção de energia limpa. O movimento é pela descarbonização da produção industrial e a Fieg está engajada nesse debate”.

O estado de Goiás, de acordo com alguns especialistas do setor, tem um grande potencial para a produção de energias alternativas e renováveis, como o próprio biogás e a biomassa, que podem derivar também o famoso Hidrogênio Verde. Assim, os investimentos nesse setor na região serão de cerca de US$ 50 bilhões até o ano de 2030, somando todas as aplicações do mundo inteiro na produção desse recurso tão concorrido pelas grandes empresas. 

Hidrogênio Verde é a nova aposta mundial para a redução da emissão de gases que causam o efeito estufa 

A busca por alternativas mais sustentáveis e pela produção de energia renovável é cada vez mais crescente no mundo inteiro, em decorrência da potencialização dos impactos ambientais. Para conseguir chegar à redução de gases que podem causar o efeito estufa tratada no Acordo de Paris, será necessário alterar a logística energética de todo o mundo, de maneira a colocar todos os países em colaboração mútua para isso. Assim, a produção do Hidrogênio Verde no estado de Goiás é mais uma maneira do Brasil se manter dentro dos acordos internacionais.

Monica Saraiva Panik, a diretora da Associação Brasileira de Hidrogênio (ABH2), discutiu acerca do poder que o estado de Goiás tem em relação à produção de energia renovável e destacou que “Goiás está entre os quatro maiores produtores de biomassa no Brasil e possui grande potencial para gerar energia elétrica a partir de fontes limpas e renováveis, considerando-se especialmente o grande volume de resíduos do agronegócio como insumo”. 

Assim, o uso de Hidrogênio Verde no mundo inteiro pode ser uma solução viável para uma nova logística energética, uma vez que o produto é derivado de fontes limpas e renováveis como a própria água e tem capacidade de utilização necessária para suprir grandes demandas energéticas, como indústrias de aviões e veículos de grande porte. Assim, os investimentos na substância feitos em Goiás marcam um passo para um futuro mais sustentável.

Ruth Rodrigues
Formada em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), atua como redatora e divulgadora científica.