Início Energia eólica offshore surpreendente: produção de petróleo e gás ganha nova tração no Reino Unido

Energia eólica offshore surpreendente: produção de petróleo e gás ganha nova tração no Reino Unido

agosto 4, 2022 às 8:48 am
Compartilhe
Siga-nos no Google News
Energia eólica offshore surpreendente
Energia eólica offshore surpreendente (Reprodução: divulgação)

A Cerulean Winds, uma desenvolvedora de infraestrutura de energia verde britânica, em parceria com a Ping Petroleum UK anunciaram a assinatura de um acordo para criar uma das maiores instalações de petróleo e gás do Reino Unido, que serão movidas especialmente por energia eólica offshore surpreendente.

Energia eólica offshore surpreendente: em uma reunião organizada pelo Secretário do Estado, Kwasi Kwarteng, um acordo foi assinado e a unidade de produção de Avalon da Ping Petroleum, situada no Mar do Norte Central do Reino Unido, será alimentada especialmente por energia eólica offshore flutuante. O projeto vanguardista terá como missão cumprir as metas de redução de emissões acordadas entre o governo britânico e a indústria no Acordo de Transição do Mar do Norte.

Dessa forma, o fornecimento de energia eólica offshore eliminará até 20 toneladas métricas de emissões de CO2 durante a sua instalação de produção offshore. Na prática, a decisão é equiparada a retirar mais de 4 mil carros das estradas britânicas.

Neste sentido, o projeto mostra o uso de energia eólica offshore flutuante no processo de descarbonização da produção de petróleo e gás. No fim deste trimestre, os aplicativos estão disponíveis para os desenvolvedores para arrendamentos do fundo do mar de modo a impulsionar a descarbonização de outros ativos no Mar do Norte.

Em 2021, a Ping Petroleum adquiriu uma participação de 100% no site de Avalon, que tem o início da produção prevista para 2025. Ao todo, o campo terá recuperação estimada de 23 milhões de barris de petróleo. Além disso, o conceito de desenvolvimento proposto para as ações foi aprovado pela  Autoridade de Transição do Mar do Norte (NTSA).

Maiores turbinas eólicas do Reino Unido mostram a força da Energia eólica offshore

Sobre o projeto, a Cerulean Winds será responsável por uma grande turbina eólica offshore flutuante que será conectada, através de uma cava, a embarcação flutuando de produção e armazenamento da Ping Petroleum UK.

Neste sentido, essa será uma das maiores turbinas eólicas flutuantes no Reino Unido, responsável por fornecer a maior parte da energia necessária para o navio de produção. A estimativa é que a energia verde produzida pela turbina exceda as necessidades energéticas da embarcação de produção. Basicamente, o navio de produção é uma instalação de 60 metros de diâmetro, que possui capacidade de armazenamento de 270 mil barris de petróleo.

Além disso, devido ao acordo com a Ping, a Cerulean Winds se comprometeu com a fabricação e montagem da turbina eólica offshore no Reino Unido. Estima-se que o projeto tenha custo entre £ 80 a 100 milhões em investimentos no desenvolvimento, assim como também na cadeia de fornecimento de energia limpa e sustentável no Reino Unido.

Para que isso ocorresse, o projeto foi viabilizado devido uma doação a Cerulean Winds através do Programa de Demonstração de Eólica Offshore Flutuante do Departamento de Negócios, Energia e Estratégia Industrial (BEIS), pertencentes ao Governo do Reino Unido. O programa pretende apoiar a inovação e a otimização da tecnologia.

A Turbina Eólica Offshore É A Energia Do Futuro

Reprodução: Canal aTech

Leia mais: Brasil mostra potencial para ser um grande desenvolvedor de energia eólica offshore na próxima década.

Dessa forma, o Diretor Administrativo do Grupo DNeX, Tan Sri Syed Zainal Abidin Syed Muhammad Tahir, afirmou que a medida que o mundo se volta para um futuro com baixo carbono, o Ping está interessada por ser um dos primeiros implementadores dessa tecnologia revolucionária no Mar do Norte do Reino Unido.

Além disso, ele aponta que o projeto usa energia eólica offshore para operações de energia, o que demonstra o compromisso da empresa em estabelecer novos conceitos de desenvolvimento de baixo carbono. Como consequência, isso reduzirá a intensidade de emissões das operações, que estão apoiadas nas metas globais sobre as mudanças climáticas.

Relacionados
Mais recentes