Início Complexo Eólico situado no Piauí e outros complexos de mais dois estados são comprados pela AES Brasil, para garantir produção máxima

Complexo Eólico situado no Piauí e outros complexos de mais dois estados são comprados pela AES Brasil, para garantir produção máxima

agosto 11, 2022 às 5:14 pm
Compartilhe
Siga-nos no Google News
Complexo Eólico
Complexo Eólico (Reprodução: divulgação)

Na última terça-feira, 09 de agosto, a AES Brasil liberou um comunicado à imprensa, onde aponta a compra de três ativos eólicos da Cubico Sustainable Investment, no Brasil. Um Complexo Eólico situado no Piauí, um dos maiores do Brasil, integra a compra junto com mais dois: Caetés, no estado de Pernambuco  Cassino, no Rio Grande do Sul. Juntos, todos os empreendimentos possuem capacidade de geração de 456 MW.

Ao todo, para realizar a compra do Complexo Eólico, a transação comercial gira em torno de R$2,03 bilhões, sendo que deste, cerca de R$1,1 bilhão é referente ao equity value, e R$930 milhões são para quitar dívidas dos complexos eólicos. Dessa forma, para garantir o financiamento da compra bilionária, a AES Brasil fará um aumento do seu capital privado de R$500 milhões para R$1,1 bilhão.

Além disso, é necessário pontuar ainda que a controladora AES Holding já anunciou que se compromete com US$ (cerca de R$512 no câmbio atual), o que garante o valor mínimo da operação. Paralelamente, a ação da AES Brasil foi fixada a R$9,61 no aumento de capital, portanto, é a média dos últimos 60 dias com um deságio de 10%.

Complexo Eólico situado no Piauí possui uma das maiores capacidades de geração do Brasil

Primeiramente, dos três complexos adquiridos, o Complexo Eólico situado no Piauí é o que tem a maior capacidade de geração: 210 MWm. Conforme um relatório da AES, com a conclusão da operação nos três empreendimentos, a empresa poderá contar com uma capacidade instalada de 5,2 GW renovável, sendo que 4,2GW são operacionais e os outros 1,0 GW para construção.

Hoje, a AES Brasil já conta com um portfólio de plantas eólicas e solares que estão localizadas nos estados de São Paulo, Rio Grande do Norte, Bahia e Ceará. Além disso, a AES também espera sinergias operacionais, financeiras e comerciais. Dessa forma, com a conclusão da operação, a AES Brasil terá uma capacidade instalada de 5,2GW, sendo 4,2GW operacionais e 1 GW em construção.

Venda do Complexo Eólico não afetou a Cubico Sustainable Investments

Sediada em Londres, a Cubico Sustainable Investments foi criada em 2015 como sendo a união de ativos de energia renovável do Santander em parceria com dois fundos canadenses, o Ontario Teacher’s Pension Plan e o PSP Investments, sendo que ambos seguem como acionistas da companhia. No ano seguinte, em 2016, a Cubico entrou no Brasil após adquirir a Ventos do Araripe e a Caetés, ambas pertencentes à família Araripe, em uma negociação de R$2 bilhões.

Atualmente, a Cubico Sustainable Investments adquiriu mais de 100 MW de energia eólica no Uruguai. Sendo uma das maiores empresas de energia renovável no mundo, ele concluiu a aquisição de dois projetos eólicos operacionais no Uruguai, que pertenciam a ACS.

Sendo assim, a compra compreende dois parques eólicos operacionais: 53 MW Pastorale em Flores, e 49 MW Kiyi em San José. No caso, para a aquisição do parque em Pastorale, a empresa contou com a participação minoritária da Sowitec.

Dessa forma, a aquisição foi considerada histórica, pois mais do que dobra a capacidade eólica operação da Cúbico Sustainable Investments no Uruguai para mais de 200 MW, o que a tornou o maior proprietário privado individual de ativos renováveis no país.

Além disso, a Cubico Sustainable Investments está procurando ativamente aumentar o seu portfólio nos Uruguai e em outros países, por meio de energia solar fotovoltaica, além de outras oportunidades eólicas onshore, como desenvolvimentos incipientes de hidrogênio.

Leia mais: Solar Coca-Cola, subsidiária da Coca-Cola no Brasil, está com vagas para Técnico de Produção e Operador de Empilhadeira no NE; confira oportunidades!

Relacionados
Mais recentes